Você sabe o que é abuso psicológico?

Etapas do abuso psicológicoabuso_contra_a_mulher_Coach_Giardino

Preparei este texto e estou esperando os seus comentários, vamos lá!

Qual é a sua  impressão sobre o assunto? conhece algum caso? Quer desabafar? precisa de ajuda? Qual a sua opinião sobre o assunto? Quer ajudar alguém?

“Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta.” Carl Jung

Existem hoje em nossa sociedade, vários tipos de abusos: Físico, verbal, sexual e tantos outros, inclusive o psicológico. Abusos à mulheres, crianças e idosos.

“Os resultados de uma recente pesquisa do Instituto Avon sobre violência doméstica vêm rodando pela internet – mas entre tantos dados pertinentes e preocupantes, há um ponto especial que geralmente passa batido: os abusos psicológicos, verbais e emocionais. Segundo os resultados, uma porcentagem assustadora de 56% dos homens entrevistados admitiram ter tido atitudes violentas contra mulheres. Algumas formas de violência citadas incluem xingamentos, humilhações públicas, ameaças verbais, empurrões e proibições de sair de casa em algum momento, sendo os xingamentos os mais prevalentes.” (Fonte: Revista Fórum)

Vou mostrar para você a sutileza do maltrato psicológico. É o Sequestro da subjetividade. Normalmente acontece na família, mais também pode ser encontrado nas relações sociais, profissionais etc. É indiferente a nacionalidade, credo religioso ou sexo. Exercido ao extremo por pessoas com uma grande carência afetiva e que geralmente necessita de um acompanhamento terapêutico. A ajuda é necessária tanto a vítima como ao agressor.

São quatro fases:

1ª – Negar a Comunicação;
2ª – Mostrar ser superior;
3ª – Negar Informação;
4ª – Destruir.

1ª Fase

Nesta fase o “agressor” quer impedir a comunicação para manter o mito da superioridade e o controle. (Desinformar o inimigo)

Conduta do agressor: Não ver o mundo da mulher, para manter ela no nível inferior.

Características comportamentais do agressor: Ignora o que a outra pessoa diz; sofre de “surdez seletiva” do que a pessoa esta falando; Tem uma audição bem seletiva do que a pessoa falou. Tem adição ao futebol, à internet, a jogos gerais, etc. E coincidentemente sempre que ela pede presença (corpo e alma).

Resposta da vítima: Insiste na comunicação; Acredita que o agressor não ouviu; Imagina que é descuidado; Acredita que as suas adições absorve muito o pobre coitado.

Conduta do agressor: Não mostrar seu próprio mundo para se manter em um nível superior. Não permite a igualdade de decisões para não se sentir frágil. Evita a responsabilidade dos seus atos para preservar a sua imagem ideal.

Características comportamentais do agressor: Passa poucas informações sobre si mesmo; Não quer conversar sobre o que ele não quer; Faz plano sozinho; Não se compromete e nem se responsabiliza pela casa; Fica sempre em cima do muro quando ela insiste com as perguntas.

Resposta da vítima: Acredita que é introvertido; Ela se sente irritada e confusa; Ela se sente sozinha e pouco apoiada; Ele não convence por não explicar e ela insiste na tentativa de “ajudar”.

Conduta do agressor: Na intenção de comunicar-se com o agressor, a vitima aumenta os vários intentos, justo neste momento ele aumenta a intensidade da “sabotagem”

Características comportamentais do agressor: Normalmente ele muda de assunto se ela insiste; O agressor mente sobre ele mesmo; Utiliza uma linguagem confusa, e faz uso da insinuação.

Resposta da vítima: Ela tenta derrubar a barreira imposta por ele; Acredita que é um mal entendido, e se ela se comunicar melhor com ele, com certeza ele vai entender; Presente que algo vai mal, no entanto não sabe o que é exatamente o que é.

Conduta do agressor: Se sente perseguido, vive um intenso perigo com o “avanço dela”, ele está claramente decidido a não entregar o poder a ela.

Características comportamentais do agressor: Nega o conflito: Não sei do que você esta falando; Desconsidera a falta de comunicação: “Você é uma exagerada”; “Tem que aceitar como eu sou” (Justificativa para manter o controle)

Resposta da vítima: Está cada vez mais perdida e triste; Pensa de verdade que ela é uma exagerada; Descobre que ele não é assim com os amigos, com os colegas de trabalho e muito menos com o chefe.

Conduta do agressor: Vou ter que colocar um “freio”, ela esta perguntando muito.

Características comportamentais do agressor: A culpa de buscar uma discussão: “Não quero discutir”, “Outra vez já esta atacando”
O problema esta sempre com ela: “Você é muito sensível”, “Esta dando uma importância maior que é”

Resposta da vítima: Está muito confusa, acredita que ele é um super homem e que deve ter a razão do que ele fala. E por isso ela deve mudar de atitude.

2ª Fase

Demonstrar que ela é inferior e que ele é superior – Gata borralheira e super-Mem – Invadir o território inimigo sem piedade.

Conduta do agressor: Demonstrar claramente que a interpretação que ela faz da realidade é distorcida. Na verdade é falsa. Negando a versão dela.

Características comportamentais do agressor: Ele sistematicamente esta contra ela; Compete com ela quando tem uma opinião própria; Nega as emoções e as experiências dela: “Você nunca gostou disso!”.

Resposta da vítima: Não se atreve a falar; Tem sempre medo; Impotência; Se sente insegura dos seus pensamentos e sentimentos e acredita que todo o problema é dela; Se desliga dos sentimentos de raiva contra ele, porque ele faz ela sentir-se culpada de traição; Tem um visível baixa autoestima; e se sente incompetente em tudo o que faz.

Conduta do agressor: Redefine a realidade da pessoa, mostrando como um ser inferior, carente de qualidades.

Características comportamentais do agressor: Critica em como cozinha, como cuida das crianças, como cuida dela mesma, etc.; Humilha suas conquistas com indiferença: “Quem você quer impressionar!”; Desqualifica e humilha na frente de outras pessoas; Sabota as conversas com outras pessoas, distraindo e rindo dela.

Resposta da vítima: Nunca consegue a aprovação dele; não ver nada bem ou bonito nela; Prefere se afastar das pessoas, por acreditar que sempre haverá humilhações e discussões, independente do momento.

3ª Fase

Impedir a vítima de receber informação ou ajuda do exterior

Conduta do agressor: Atua para que ela se afaste dos amigos

Características comportamentais do agressor: Começa a desqualificar sistematicamente a todos os seus amigos; Começa a demonstrar ciúmes por qualquer amigo dela; Monta circos e broncas cada vez que ela sai com  alguém.

Resposta da vítima: Ela se sente tão mal consigo mesma. Não quer ser vista assim e vai aceitando as condições e imposições. E fica confinada a um isolamento (Um cativeiro sem grandes).

Conduta do agressor: Faz a pessoa perder o trabalho

Características comportamentais do agressor: Com o tempo vai convencendo para que deixe de trabalhar, criando assim, uma dependência total dele com o empobrecimento econômico e social.

Resposta da vítima: De fato ela aceita a recomendação dele e deixa de trabalhar. Começa a somatizar, vêm as depressões, os medos, as fobias, etc.

Conduta do agressor: Faz a pessoa se afastar da família

Características comportamentais do agressor: Critica a todos, pai, mãe e irmãos até conseguir que deixe de vê-los. Quando se reúne com eles, se mostra falsamente encantador e amável com a mulher.

Resposta da vítima: Não espera apoio e nem compreensão da família. Ele cativou a todos eles; E ela supõe: Uma mulher deve aguentar pelo “bem da família”.

Conduta do agressor: Ele controla todo o dinheiro da casa. Controla o corpo da mulher e suas saídas.

Características comportamentais do agressor: Entrega a ela o justo para os gastos da casa; Controla as relações sexuais, as visitas ao medico e o que veste, etc.; Controla todas as saídas, impedindo que ela se movimente livremente.

Resposta da vítima: Ela vive miseravelmente, Ela se sente mal com o corpo e esconde; Na rua esta sempre aterrorizada.

4ª Fase

Destruir a vítima – A crueldade verbal aqui é extrema, ele busca a todo custo destruir o inimigo.

Conduta do agressor: Quer destruir a mulher, quer completa imunidade.

Características comportamentais do agressor: Xinga, humilha ela na frente dos filhos; Nega o abuso verbal: “Nunca falei isso”; Culpa a ela da raiva: “Está ficando louca!”; Ela é uma escrava que executam ordens.

Resposta da vítima: Os filhos não respeitam mais a vítima; Ela toma consciência da crueldade dele.

Gente,  isto é atualidade!

“Mais um dado alarmante sobre a violência contra a mulher veio à tona: as agressões contra pessoas do sexo feminino partem, em sua maioria, de pessoas conhecidas. De acordo com o segundo volume da Pesquisa Nacional de Saúde 2013 do IBGE, 3,1% das mulheres brasileiras com mais de 18 anos – um total de 2,5 milhões de mulheres – já foi vítima de agressão física, verbal e emocional de autoria de conhecidos, como pai, irmão, marido, amigos ou pessoas do convívio em geral.

Já em relação aos homens, 1,8% deles sofreu o mesmo tipo de agressão de pessoas conhecidas. No geral, incluindo homens e mulheres, uma média de 2,5% da população brasileira com mais de 18 anos foi vítima de violência por parte de conhecidos. As regiões com maior incidência são Norte, com 3,2% e Sul, com 3%.” (Fonte: Bolsa de mulher)

Boa reflexão!
Feliz noite de domingo!

Coach Giardino
Coach de pessoas

http://www.ricardogiardino.com
coaching@ricardogiardino.com

A paixão de Cristo

Coch_GIardino_CristoMe permita trazer uma mensagem de paz, nesta sexta-feira de paz.

O meu amor e o meu olhar esta hoje para a ressurreição de Jesus.

A crucificação nada mais é senão um exemplo. Só aqueles que tem medo podem perceber tenebrosamente. O significado da crucificação está na intensidade aparente da agressão de uns aos outros.

O mundo mudou?
Continuamos a atacar aos outros com nossas projeções?
Estamos crucificando ao próximo com os memores erros?

Jesus nunca se preocupou em criticar ou atacar quem quer que fosse, mesmos os seus aparente e simbólicos “agressores”, sendo firme quando necessário.

É provável que você tenha sentido na pele sofrimento, e tenha pensado em algum momento que estivesse sendo crucificado. Esta é uma forma de pensar estar separado de você, separado do outro e separado de Deus. A agressão só pode ser feita ao corpo. O corpo não existe. O corpo foi criado pelo ego. Consequentemente todo sofrimento tem origem no ego. Quando projetas no outro sua raiva, seu ódio, esta fomentando a agressão. Tudo com base no medo.

Você é livre para pensar como quiser. Livre para se sentir vítima ou um filho de Deus!

Cristo o único que pede é: Siga meu exemplo! Nunca Cristo justificou um ataque ou raiva de qualquer tipo. “Escolhi, para teu bem e o meu demonstrar que a agressão mais ultrajante segundo o julgamento do ego não importa” “…eu fui traído, abandonado, rasgado e morto. Estava claro que isso somente aconteceu devido a projeção” ou seja “A mensagem da crucificação é perfeitamente clara: “Ensina só amor, pois é isso que tu és.”

A nossa ressurreição é novo despertar. É curar a percepção. É ver o mundo com infinitas possibilidades. Nada de sofrimento. Ester neste mundo e passar um tempo para sofrer? Tem sentido? Será Deus tão igual ao nosso ego? Castigo…castigo…culpa…vingança. Pode o amor ter esta missão? Não sei aonde a humanidade quer chegar.Só não vejo um Deus carrasco. “Uma igreja que não inspira amor tem um altar escondido, que não serve ao propósito de Deus.” Não estamos sendo perseguidos, ninguém esta atacando. A condenação é impossível! Nos temos a possibilidade de conexão direta com o Espírito Santo, herança deixada igualmente para todos.

Somos um! Somos amor.Sou grato a você!

<<Escolhas e Percepções>>

Coach Giardino

Coach Emocional

coaching@ricardogioardino.com