Você sabe o que é abuso psicológico?

Etapas do abuso psicológicoabuso_contra_a_mulher_Coach_Giardino

Preparei este texto e estou esperando os seus comentários, vamos lá!

Qual é a sua  impressão sobre o assunto? conhece algum caso? Quer desabafar? precisa de ajuda? Qual a sua opinião sobre o assunto? Quer ajudar alguém?

“Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta.” Carl Jung

Existem hoje em nossa sociedade, vários tipos de abusos: Físico, verbal, sexual e tantos outros, inclusive o psicológico. Abusos à mulheres, crianças e idosos.

“Os resultados de uma recente pesquisa do Instituto Avon sobre violência doméstica vêm rodando pela internet – mas entre tantos dados pertinentes e preocupantes, há um ponto especial que geralmente passa batido: os abusos psicológicos, verbais e emocionais. Segundo os resultados, uma porcentagem assustadora de 56% dos homens entrevistados admitiram ter tido atitudes violentas contra mulheres. Algumas formas de violência citadas incluem xingamentos, humilhações públicas, ameaças verbais, empurrões e proibições de sair de casa em algum momento, sendo os xingamentos os mais prevalentes.” (Fonte: Revista Fórum)

Vou mostrar para você a sutileza do maltrato psicológico. É o Sequestro da subjetividade. Normalmente acontece na família, mais também pode ser encontrado nas relações sociais, profissionais etc. É indiferente a nacionalidade, credo religioso ou sexo. Exercido ao extremo por pessoas com uma grande carência afetiva e que geralmente necessita de um acompanhamento terapêutico. A ajuda é necessária tanto a vítima como ao agressor.

São quatro fases:

1ª – Negar a Comunicação;
2ª – Mostrar ser superior;
3ª – Negar Informação;
4ª – Destruir.

1ª Fase

Nesta fase o “agressor” quer impedir a comunicação para manter o mito da superioridade e o controle. (Desinformar o inimigo)

Conduta do agressor: Não ver o mundo da mulher, para manter ela no nível inferior.

Características comportamentais do agressor: Ignora o que a outra pessoa diz; sofre de “surdez seletiva” do que a pessoa esta falando; Tem uma audição bem seletiva do que a pessoa falou. Tem adição ao futebol, à internet, a jogos gerais, etc. E coincidentemente sempre que ela pede presença (corpo e alma).

Resposta da vítima: Insiste na comunicação; Acredita que o agressor não ouviu; Imagina que é descuidado; Acredita que as suas adições absorve muito o pobre coitado.

Conduta do agressor: Não mostrar seu próprio mundo para se manter em um nível superior. Não permite a igualdade de decisões para não se sentir frágil. Evita a responsabilidade dos seus atos para preservar a sua imagem ideal.

Características comportamentais do agressor: Passa poucas informações sobre si mesmo; Não quer conversar sobre o que ele não quer; Faz plano sozinho; Não se compromete e nem se responsabiliza pela casa; Fica sempre em cima do muro quando ela insiste com as perguntas.

Resposta da vítima: Acredita que é introvertido; Ela se sente irritada e confusa; Ela se sente sozinha e pouco apoiada; Ele não convence por não explicar e ela insiste na tentativa de “ajudar”.

Conduta do agressor: Na intenção de comunicar-se com o agressor, a vitima aumenta os vários intentos, justo neste momento ele aumenta a intensidade da “sabotagem”

Características comportamentais do agressor: Normalmente ele muda de assunto se ela insiste; O agressor mente sobre ele mesmo; Utiliza uma linguagem confusa, e faz uso da insinuação.

Resposta da vítima: Ela tenta derrubar a barreira imposta por ele; Acredita que é um mal entendido, e se ela se comunicar melhor com ele, com certeza ele vai entender; Presente que algo vai mal, no entanto não sabe o que é exatamente o que é.

Conduta do agressor: Se sente perseguido, vive um intenso perigo com o “avanço dela”, ele está claramente decidido a não entregar o poder a ela.

Características comportamentais do agressor: Nega o conflito: Não sei do que você esta falando; Desconsidera a falta de comunicação: “Você é uma exagerada”; “Tem que aceitar como eu sou” (Justificativa para manter o controle)

Resposta da vítima: Está cada vez mais perdida e triste; Pensa de verdade que ela é uma exagerada; Descobre que ele não é assim com os amigos, com os colegas de trabalho e muito menos com o chefe.

Conduta do agressor: Vou ter que colocar um “freio”, ela esta perguntando muito.

Características comportamentais do agressor: A culpa de buscar uma discussão: “Não quero discutir”, “Outra vez já esta atacando”
O problema esta sempre com ela: “Você é muito sensível”, “Esta dando uma importância maior que é”

Resposta da vítima: Está muito confusa, acredita que ele é um super homem e que deve ter a razão do que ele fala. E por isso ela deve mudar de atitude.

2ª Fase

Demonstrar que ela é inferior e que ele é superior – Gata borralheira e super-Mem – Invadir o território inimigo sem piedade.

Conduta do agressor: Demonstrar claramente que a interpretação que ela faz da realidade é distorcida. Na verdade é falsa. Negando a versão dela.

Características comportamentais do agressor: Ele sistematicamente esta contra ela; Compete com ela quando tem uma opinião própria; Nega as emoções e as experiências dela: “Você nunca gostou disso!”.

Resposta da vítima: Não se atreve a falar; Tem sempre medo; Impotência; Se sente insegura dos seus pensamentos e sentimentos e acredita que todo o problema é dela; Se desliga dos sentimentos de raiva contra ele, porque ele faz ela sentir-se culpada de traição; Tem um visível baixa autoestima; e se sente incompetente em tudo o que faz.

Conduta do agressor: Redefine a realidade da pessoa, mostrando como um ser inferior, carente de qualidades.

Características comportamentais do agressor: Critica em como cozinha, como cuida das crianças, como cuida dela mesma, etc.; Humilha suas conquistas com indiferença: “Quem você quer impressionar!”; Desqualifica e humilha na frente de outras pessoas; Sabota as conversas com outras pessoas, distraindo e rindo dela.

Resposta da vítima: Nunca consegue a aprovação dele; não ver nada bem ou bonito nela; Prefere se afastar das pessoas, por acreditar que sempre haverá humilhações e discussões, independente do momento.

3ª Fase

Impedir a vítima de receber informação ou ajuda do exterior

Conduta do agressor: Atua para que ela se afaste dos amigos

Características comportamentais do agressor: Começa a desqualificar sistematicamente a todos os seus amigos; Começa a demonstrar ciúmes por qualquer amigo dela; Monta circos e broncas cada vez que ela sai com  alguém.

Resposta da vítima: Ela se sente tão mal consigo mesma. Não quer ser vista assim e vai aceitando as condições e imposições. E fica confinada a um isolamento (Um cativeiro sem grandes).

Conduta do agressor: Faz a pessoa perder o trabalho

Características comportamentais do agressor: Com o tempo vai convencendo para que deixe de trabalhar, criando assim, uma dependência total dele com o empobrecimento econômico e social.

Resposta da vítima: De fato ela aceita a recomendação dele e deixa de trabalhar. Começa a somatizar, vêm as depressões, os medos, as fobias, etc.

Conduta do agressor: Faz a pessoa se afastar da família

Características comportamentais do agressor: Critica a todos, pai, mãe e irmãos até conseguir que deixe de vê-los. Quando se reúne com eles, se mostra falsamente encantador e amável com a mulher.

Resposta da vítima: Não espera apoio e nem compreensão da família. Ele cativou a todos eles; E ela supõe: Uma mulher deve aguentar pelo “bem da família”.

Conduta do agressor: Ele controla todo o dinheiro da casa. Controla o corpo da mulher e suas saídas.

Características comportamentais do agressor: Entrega a ela o justo para os gastos da casa; Controla as relações sexuais, as visitas ao medico e o que veste, etc.; Controla todas as saídas, impedindo que ela se movimente livremente.

Resposta da vítima: Ela vive miseravelmente, Ela se sente mal com o corpo e esconde; Na rua esta sempre aterrorizada.

4ª Fase

Destruir a vítima – A crueldade verbal aqui é extrema, ele busca a todo custo destruir o inimigo.

Conduta do agressor: Quer destruir a mulher, quer completa imunidade.

Características comportamentais do agressor: Xinga, humilha ela na frente dos filhos; Nega o abuso verbal: “Nunca falei isso”; Culpa a ela da raiva: “Está ficando louca!”; Ela é uma escrava que executam ordens.

Resposta da vítima: Os filhos não respeitam mais a vítima; Ela toma consciência da crueldade dele.

Gente,  isto é atualidade!

“Mais um dado alarmante sobre a violência contra a mulher veio à tona: as agressões contra pessoas do sexo feminino partem, em sua maioria, de pessoas conhecidas. De acordo com o segundo volume da Pesquisa Nacional de Saúde 2013 do IBGE, 3,1% das mulheres brasileiras com mais de 18 anos – um total de 2,5 milhões de mulheres – já foi vítima de agressão física, verbal e emocional de autoria de conhecidos, como pai, irmão, marido, amigos ou pessoas do convívio em geral.

Já em relação aos homens, 1,8% deles sofreu o mesmo tipo de agressão de pessoas conhecidas. No geral, incluindo homens e mulheres, uma média de 2,5% da população brasileira com mais de 18 anos foi vítima de violência por parte de conhecidos. As regiões com maior incidência são Norte, com 3,2% e Sul, com 3%.” (Fonte: Bolsa de mulher)

Boa reflexão!
Feliz noite de domingo!

Coach Giardino
Coach de pessoas

http://www.ricardogiardino.com
coaching@ricardogiardino.com

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s