Princípios da Educação Formulada por Pestalozzi com Coach Giardino (1ª parte)

Coach Educacional (2)

Teórico: Johann Heinrich Pestalozzi

Nascimento e morte: Zurique, 12 de janeiro de 1746 — Brugg, 17 de fevereiro de 1827)

Profissão: Pedagogo suíço e educador, pioneiro da reforma educacional.

Princípios: A afetividade em sala de aula e o amor materno.

De acordo com Haydt (2001), podemos resumir da seguinte maneira os princípios formulados por Pestalozzi:

1 – “A relação entre professor e aluno deve ser baseada no amor e no respeito.” 

O Palestrante e pedagogo Celso Vasconcelos, nos fala da zona de autonomia relativa (ZAR), zona circular  separada por  zona externa, da qual o profissional não exerce controle, e a zona interna como “o limite interno é o das pessoas e da instituição. É nesse espaço que está a liberdade. Isso implica: respeitar o conhecimento prévio do aluno, história de vida, definir objetivos e conteúdos que lhe sejam adequados, conquistar o aluno para a aprendizagem, etc. Isso depende do professor e de mais ninguém.”

Celson Vasconcelos ainda diz: “O trabalho com o conhecimento – O professor deve desenvolver sua capacidade de estabelecer relações interpessoais sadias. Isso se faz, ouvindo o aluno e fazendo-o sentir-se respeitado.”

A relação baseada no amor e no respeito, parte de um encontro de partes separadas que desejam unir-se, uma que supõe maturidade é outra no processo de desenvolvimento. O professor é o responsável para estabelecer os limites desta relação.

2 – “O professor deve respeitar a individualidade do aluno.”

Individualidade se entende como um indivíduo único, inserido em um universo de multiplicidade. Uns aprendem as letras com maior rapidez, uma velocidade relativa. Outros caminham admirando as letras, no entanto viajam em um caminho paralelo em que o tempo não importa. E quem disse que educar é uma competição?

O respeito se entende por permitir que o outro seja ele mesmo, da forma e da cor que deseje, sem interferir na possibilidade que ele seja capaz de ver, nem sempre o mesmo que o outro. Entender que o espaço mesmo sendo público, não me permite entrar no limite do outro.

Respeitar a individualidade em sala de aula é permitir que o aluno, caminhe com suas próprias experiências, sua investigações, e até mesmo o seu momento de não desejar fazer nada.

3 – “A finalidade da educação deve basear no seu fim mais elevado, ou seja, favorecer o desenvolvimento físico, mental e moral do aluno.”

“Dentre vários estudos, a psicomotricidade é conceituada como uma ação de finalidade pedagógica e psicológica a utilizar os parâmetros da educação física com a intenção de melhorar o comportamento da criança com seu corpo. Há quem defina a psicomotricidade como uma ciência que estuda o indivíduo por meio de seu movimento e a interação social.”

“Segundo Vygotsky, o desenvolvimento cognitivo do aluno se dá por meio da interação social, ou seja, de sua interação com outros indivíduos e com o meio.” “Vygotsky nasceu em 1896 na cidade de Orsha, na Rússia, e morreu em Moscou em 1934, com apenas 38 anos. Formou-se em Direito, História e Filosofia nas Universidades de Moscou e A. L. Shanyavskii, respectivamente.”

Melhor serem dois que apenas um. Papel do professor fomentar momentos de desenvolvimento físico, mental e moral. Será que ocorre apenas no ambiente escolar? Com certeza, não. A escola tem está possibilidade e oportunidade de proporcionar bons momentos para o desenvolvimento da criança.

4 – “O ensino não deve objetivar a verdade absoluta e a memorização mecânica, mas o desenvolvimento das capacidades intelectuais.”

A verdade deixa de ser verdade no momento da dúvida. A verdade em si própria é absoluta. Deter uma forma de pensar, não significa ser o detentor da verdade. A verdade é a experiência individual, que não cabe experimento e sim uma confirmação da própria experiência. A escola e o professor, não são os detentores da verdade. Na verdade, são juntos ou separados, um dos caminhos para refletir e decidir a própria verdade. Estimulando e desenvolvendo o ser critico e reflexivo para que o estudante chegue próximo da verdade.

As ideias ou as técnicas? O caminho faz a diferença entre ser um professor influenciador ou um professor conteudista. O primeiro nos permite o desenvolvimento das capacidade intelectuais. O segundo nos lembra a memorização mecânica que proporciona a informação, que sem mais, se perde pela necessidade de complementariedade na aplicação.

 

Pestalozzi nos deixa seis princípios mais, dos quais, abordaremos na nossa próxima conversa.

Qual é o seu educador preferido?

Qual a proposta do educador?

Quais princípios norteiam o seu trabalho?

Compartilhe e deixe seus comentários.

Coach Giardino

Coach e Mentor Educacional

Contatos:

Tel.: 71 985454125

E-mail: contato@ricardogiardino.com

.

Como Mudar um Paradigma com Coach Giardino

Paradigma_Coach_Giardino_2Como a mente consciente funciona?

E a mente subconsciente?

O corpo é uma expressão da mente?

Os pensamentos que permeiam a mente consciente, modificam substancialmente o instrumento que chamamos de corpo.

O nosso corpo é uma estrutura de moléculas. Uma massa de energia em alta velocidade vibracional.

Nos inventamos uma palavra para traduzir o nosso nível consciente desta vibração: “Sentimentos”

Se eu te perguntar:  como você está hoje? Você pode responder “eu estou ótima” ou “eu não estou me sentindo muito bem”, ou simplesmente “me sinto bem”. Você nunca ouviu ninguém responder: “estou conscientemente desperto de estar emocionalmente envolvida em um ideia negativa”. Então, “estou em uma vibração negativa”.

Conforme vamos compreendendo isso, e nos tornamos conscientes que não estamos nos sentindo muito bem, podemos mudar isso. Requer um certo treinamento, mas você pode fazer isso. Estamos realmente encarregados de como nos sentimos. Nos permitimos, outras pessoas, nos deixar com raiva… nos não precisamos deixar que as outras pessoas tenham este poder, de deixar-nos com raiva. Necessariamente não precisamos reagir as outras pessoas, pois nos podemos responder, nos podemos ouvir o que elas estão dizendo e responder. Bem, entendo a sua opinião, mais não é assim que eu sou. Você pode e deve ter ideias de você mesmo.

Funcionamento da mente

É importante entender como a mente funciona. Entender a relação da mente com o corpo e do corpo com a mente. E são os resultados que desejamos mudar. Os resultados podem estar em nosso corpo. Você pode querer perder alguns quilos. Você pode querer ganhar alguns quilos. Você pode querer ter mais energia.

Observe, 100% da energia que foi e será, está sempre presente em todos os lugares ao mesmo tempo. Tudo é energia. Você sabe, vai ouvir as pessoas dizendo, onde ele recebe toda esta energia? Ninguém recebe energia, todo mundo libera energia. O desejo é um mecanismo de gatilho que libera o fluxo de energia.

A mente consciente tem a capacidade de escolher pensamentos, estes pensamentos se transformam em imagem, estas imagens vão para a mente subconsciente, então, a mente subconsciente expressa isso em ação.

Qual é o problema? A mente subconsciente não sabe rejeitar nada, e muito menos diferenciar o que é real e o que é imaginação.

E como era no começo? Você não tinha nenhuma faculdade de consciência desenvolvida, os fatores sensoriais nem sequer haviam sidos desenvolvidos. Foi assim que você chegou. Isso é chamado de pequena vida. Esse é o bebe. Sem mente consciente. A mente subconsciente esta completamente aberta. Você pode colocar qualquer coisa lá. Observe, sua mente subconsciente é programada pelas interferências externas, é por isso que nos parecemos com nosso parentes. Então, somos programados ambientalmente. Por isso o meio ambiente é mais importante que a hereditariedade.

“O meio social – família, grupos e cultura a que se pertence – desempenha um papel determinante na construção da  personalidade. A personalidade forma-se num processo interativo com os sistemas de vida que a envolvem: a família, a escola, o grupo de  pares, o trabalho, a comunidade…

Uma personalidade é marcada por todo  o processo de socialização em que a família, sobretudo nos primeiros anos, assume um papel muito importante, pelas características e qualidade das  relações existentes e pelos estilos educativos.” Psicologia do Desenvolvimento

Vamos parar e pensar no ambiente em que crescemos. Aqui está o bebe, ideias, pensamentos e conceitos que estão ao redor, estão indo diretamente para a mente subconsciente da criança, por meio de repetições, de novo e de novo e de novo, lembre-se a criança está passando por isso todos os dias, o dia inteiro, todas as semanas, todos os meses, todos os anos e isso acontece por quatro ou cinco anos. Pronto,  depois de cinco ano com todas as repetições, ele está preparado para pensar como as pessoas que o cercam. Se aos 4 e 5 anos, você coloca está criança na escola, ela vai seguir os conceitos da escola. Pense nas pessoas que conviveram com esta criança. Viviam em dificuldades ou em abundância? Se havia falta de dinheiro, dívidas, brigas, murmúrios e limitações. Como espera que esteja depois de cinco anos está criança? Isso parece bizarro, mais é assim que acontece.

Frases do paradigma

“Você tem que se contentar com aquilo que tem”

“Passei dificuldade na infância, agora quero tudo do bom e do melhor”

“Dinheiro é sujo”

“Ter dinheiro é questão de sorte”

“Poupar para que? posso não estar vivo amanhã”

“Dinheiro não trás felicidade”

“O dinheiro sobe a cabeça das pessoas”

“Os ricos são maus e desonesto”

Vamos parar e pensar por um momento. O que acontece com aquele criança quando começar a pensar por si própria? O PARADIGMA CONTROLA A VIBRAÇÃO. A VIBRAÇÃO CONTROLA A AÇÃO, QUE PRODUZ O RESULTADOS. Aqui encontramos a criança com o paradigma. As faculdades se desenvolveram neste ambiente. A criança tem a capacidade de pensar, existe o fluxo de energia nela, ela vai pensar segundo o seu modelo de paradigma encrustado, enraizado pelo ambiente em que viveu. “Se contente com aquilo que tem”… Você não esta obrigado aceitar.

Fonte: Bob Proctor

Experiência com os macacos

Numa experiência científica, um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula. No meio, uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas.

Quando um macaco subia na escada para pegar as bananas, os cientistas jogavam um jato de água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros o pegavam e batiam muito nele.

Mas um tempo depois, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas.

Então os cientistas substituíram um dos macacos por um novo. A primeira atitude do novo morador foi subir a escada. Mas foi retirado pelos outros, que o surraram.
Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não mais subia a escada.

Um segundo foi substituído e o mesmo ocorreu – tendo o primeiro substituto participado com entusiasmo da surra ao novato.

Um terceiro foi trocado e o mesmo ocorreu. Um quarto e, afinal, o último dos veteranos foi substituído.

Os cientistas, então, ficaram com o grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas.

Se fosse possível perguntar a algum deles por que eles batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria:

“Não sei, mas as coisas sempre foram assim por aqui”.

Você tem questionado os paradigmas estabelecidos em seu local de trabalho ou em sua vida pessoal?

 

Fonte: RHPortal

Não devemos contar a idade pelos anos, mas pelos procedimentos.” Sêneca”

Coach Giardino

Coach e Mentor Educacional

Contatos:

Tel.: 71 985454125

E-mail: contato@ricardogiardino.com