Coach Educacional: Planejamento de visita ao museu AFRO BRASILEIRO com Coach Giardino

Coach Giardino_ Planejamento de visita ao museuPor Coach Giardino

Como organizar uma visita ao museu? Proposta para Fundamental 1

Objetivos da aula de campo:

  1. Proporcionar uma visão ampla dos conteúdos e da própria história, que ultrapassa a barreira de um simples passeio ou mesmo um questionário proposto. Podendo fazer um link com a realidade do educando.
  2. Explorar o potencial educativo dos museus e as suas exposições para as diversas disciplinas que compõem o currículo: história, filosofia, artes, português, geografia e ciências.

Introdução

“Para Libâneo (1994), a educação pode ser compreendida no sentido amplo, o processo educacional decorre da convivência humana no meio social, com a participação de pessoas e instituições que integram a sociedade”. (apud, Belther 2014)

A identidade cultural brasileira passa pelas raízes africanas. Pensando nisso e centrados na pesquisa em Salvador, de um local que preserve a memória dos negros africanos escravizados, escolhemos o MAFRO.

O museu Afro-Brasileiro da Universidade Federal da Bahia, localizado no largo do terreiro de Jesus, no centro histórico de Salvador é o local ideal para trabalhar as raízes e a nossa identidade cultural.

Desenvolvimento

Roteiro pedagógico em três passos: antes da visita, a visita e depois da visita.

Passos antes da visita: planejar junto com a equipe pedagógica da escola: qual a unidade do trimestre e a data para efetuar a visita; consultar a exposição disponível; realizar o agendamento; solicitar autorização da família. Trabalhar com a turma a visita ao museu (verificar quem já participou de uma exposição, explicar a existência, a finalidade e o pará quê  ir ao museu). Explanar para a turma os conceitos de identidade, aspectos inseridos na nossa cultura das raízes africanas e os motivos que envolveram o tráfico de negros para o Brasil e as consequências em nossas vidas no cotidiano.

Passos da visita: Ainda na escola, fazer a chamada dos presentes, relembrar as regras da nossa visita e as do museu; no trajeto chamar atenção sobre aspectos da nossa cidade. No museu, dividir a turma em grupos menores, por professor. Estes grupos deverão permanecer unidos em todo o momento; fazer da visita prazerosa e divertida, bem como estimular o olhar curioso e crítico.

Passos depois da visita: relembrar com a turma as histórias, as impressões e, sobretudo, verificar o que a turma conseguiu reter de conhecimento. Passar algumas fotografias das obras visitadas e conversar sobre a opinião individualizada. Para finalizar, propor ao educando, em caráter individual fazer um desenho de uma obra que o chamou mais atenção, ao lado do desenho, produzir um pequeno texto explicando o significado do desenho e relacionando-o com a própria realidade.

Conclusão

Como fiz visitas a vários museus, me deleitei ao preparar o roteiro. Primeiro, pela importância da aula de campo e depois pelas crianças. Elas sorriem se espantam, se divertem e aprendem. A aula fora da sala é um momento de novidade, que estimula várias emoções e proporciona o conhecimento.

Referências Bibliográficas

Ibram – portal do instituto brasileiro de museus – http://www.museus.gov.br/os-museus/ . Acesso em 30 de setembro 2018.

MAFRO – Museu afro brasileiro UFBA http://www.mafro.ceao.ufba.br . Acesso em 30 de setembro 2018.

Belther, Josilda Maria, organizadora. São Paulo. Didática I – Ed Pearson 2015 Pág 5

Por Coach Giardino

Coach Educacional

Mediador de Conflitos

Contato: (71) 985454125

contato@ricardogiardino.com

Biodescodificação Com Coach Giardino: Sentido Emocional das Dores nas Costas

Por: Elizabeth Romero e Edgar Romero

Biodescodificação Com Coach Giardino

Através da coluna, o cérebro controla todo os movimentos físicos, psíquicos e biológicos, dá ordens e recebe mensagens das diferentes partes do corpo. A informação circula pelos meridianos, a médula e os nervos das costas, principalmente. Foi descoberto, que a dor que provoca as lesões, estaria relacionada com o estado emocional do cérebro. A nossa atitude e pensamentos podem determinar diferentes estados de dor.

A biodescodificação, relaciona os incômodos nas costas e seus sintomas com as emoções bloqueadas, com emoções e sentimentos no consciente. Muitas doença (sintomas), estão relacionadas com as costas e muitas delas, provocadas por pequenos deslocamentos das vértebras que oprimem os nervos que sustentam nosso órgãos e diferentes partes do corpo, ou por desgaste das mesmas, traumatismos, etc. Más, seja qual seja o sintoma, é devido a uma emoção, e dependendo do grau do conflito emocional, assim é a quantidade de dor que se apresenta.

Os estados emocionais podem afetar o resto do nosso corpo, embora na costas provocaram um trabalho extra, afligindo a respiração, impedindo que entre ar suficiente para manter a força necessária. O estres castiga nosso estado físico e emocional, produz impotência muscular, orgânica e mental. A musculatura que cobre a parte superior das nossas costas, indica como nos sentimos, se estamos contentes o pescoço estará certo, o semblante relaxado e sem tensões, más, se estamos tristes, nosso olhar estará direcionado para o chão, da mesma forma o pescoço e a cabeça inclinada para frente.

Também, nos sentiremos cansado e desanimados, sem nenhuma causa aparente, isso está provocando: respiração inadequada, circulação sanguínea lenta, aparecem as dores de cabeça, as vistas cansadas e o sistema digestivo com incômodos.

As vértebras cervicais

Está relacionada com a comunicação e como enfrentamos a vida. Representa a nossa flexibilidade para mudar, superar, enfrentar a vida diária. Uma dor no pescoço indica negação, rigor e obstinação.

Perguntas importantes:

Qual o meu nível de flexibilidade ou rigidez?

Tenho facilidade em aceitar opiniões diferentes das minhas?

Existe uma obsessão em fazer as coisas da minha maneira?

Acredito que a mudança é algo difícil?

Dependendo da resposta o pescoço incomodará mais ou menos. Dizem, que se amanhece com o pescoço doendo é porque dormiu em um posição inadequada. Na verdade, é por aquilo que vem pensando a muito tempo ou umas horas antes, sendo uma necessidade por “mudar algo”…

Se a dor nas costas, ocorre na altura dos ombros, significa que existe uma falta de apoio emocional por parte dos seres queridos. A pessoa se sente sozinha em um importante projeto; não sente o apoio para fazer algo, precisa de abraços e amor que a motivem. No momento em que a segurança cresce e não precise da aprovação das outras pessoas, adeus a dor. Você pode!

As vértebras dorsais

São as vértebras na altura do peito, obviamente na parte das costas. A dor nessas vértebras, provoca que estejamos inclinados para frente, como se carregássemos um grande peso nas costas. Normalmente, essas vértebras machucam quando a nossa vida diária está cheia de responsabilidade que não queremos ou não aceitamos. E pode ser tão simples como lavar os pratos, passar roupa ou fazer qualquer atividade “que não gostamos”. Pode ser também, com levar a responsabilidade de manter a toda a família, cuidar de alguém, realizar um trabalho que não gostamos ou não desejamos.

Perguntas importantes:

O que estou fazendo que não gosto?

Qual a responsabilidade que tenho e  não aceito?

A parte central das costas, digamos entre o peito e umbigo, obviamente na parte das costas, representam a culpa. São as vértebras mais pequenas e menos flexíveis das nossas costas. As dores nesta região, pode ser: angustia, estres, inquietação, ansiedade, tristeza, mais sobre tudo carregada de culpa, por algo que fizemos ou que falamos,

Perguntas importantes:

Assumi algum compromisso sem deseja-lo?

Me preocupa mais as outras pessoas que comigo?

Digo sim, quando na verdade desejaria dizer não?

As vértebras lombares

Essas vértebras vão desde a quadril até o cóccix. Representa a tua verdadeira essência e aquilo que não pode negar. A zona representa sua vontade e seu equilíbrio, até mesmo a vida espiritual e a verdadeira natureza fica determinada esta zona (simbólico).

Você pode andar pela vida falando que vive em paz, que nada te preocupa, que sua vida é perfeita e feliz. Do nada, aparece as dores nessa zona, que falam a verdade: “necessita preocupa-se menos com o dinheiro”, “necessita moderação na vida sexual”, ” necessita viver em equilíbrio” e necessita ter fé.

Quando aparece dor nessa zona, existe uma inflamação e muitas vezes se confunde com as dores de rins, más emocionalmente e em uma grande maioria dos casos, ter dores nessas vértebras, significa: “estou gastando muito dinheiro e me preocupa ficar sem” quando sentimos “pontadas”, é que nosso medo de ficar “pobre” é realmente grave.

Assim, cada vez que estiver com dores nessa zona, além de analisar se realmente a sua vida é tão boa como imagina, pensa também, qual foi a ultima coisa que comprou ou o que foi que fez com que você imaginasse que está “gastando muito”. O simples fato de tomar consciência de que  dinheiro vem e vai, e chegará mais e que gastando com aquilo, não te deixará pobre, certamente vai anular a dor,

Por isso, as costas é a zona da fé, da essência, da confiança de que Deus proverá e nada faltará.

Elizabeth Romero e Edgar Romero

Texto traduzido e adaptado por Coach Giardino

O SENHOR é meu pastor e nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas. Salmos 23:1-2

A Biodescodificação não recomenda medicamentos, não induz a abandonar os tratamentos convencionais. Ao persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

Coach Giardino

Coach Profissional

Contato:

Tel.: 71 985454125

E-mail: contato@ricardogiardino.com