Categoria: Crenças limitadoras

O perigo de aceitar como normal aquilo que nos causa sofrimento

O medo do sofrimento

Todos nós temos medo de sofrer acontecimentos “traumáticos” na vida. E muitas vezes, esse medo direciona a nossa vida para bem longe dos conflitos.

E assim, à medida que tentamos evitar situações estressantes, que podem nos causar sofrimento (acidente, doença, divórcio, brigas, perdas, conflitos ou situações de guerra), ocorrem em nosso ambiente outras situações que parecem mais tranquilas.

No entanto, diversos estudos sobre o estresse e seus impactos na vida diária (Sandin e Choroit, 1991), demonstram que são os pequenos estresses do dia a dia que causam um maior número de problemas mentais.

“Não era a profundidade o que me afogava, mas o tempo que passei debaixo d’água”. Frida Kahlo

Quais são os problemas que nos afetam diariamente?

Existem muitas rotinas diárias em nossa vida que podem estar afetando nossa saúde física e emocional.

As rotinas diárias são aceitas pelo compromisso social, pelo hábito, necessidade, medo da mudança ou obrigação. Na maioria das vezes isso acontece inconscientemente.

Citamos aqui alguns fatores que, com o passar do tempo, podem nos afetar. Se você lida com eles, é conveniente fazer uma mudança ou colocar um ponto final.

Atitudes superprotetoras.

– Ciúmes do parceiro.

– Conflitos no trabalho, no casamento, com familiares ou amigos.

– Problemas de comunicação com os demais.

– Brigas e gritos que não o deixam descansar.

– Isenção de responsabilidades.

– Acúmulo de tarefas.

Não se esqueça de que, dependendo da pessoa, a situação pode ser mais ou menos estressante.

Reflita: até que ponto isto que aceito como normal está me prejudicando como pessoa?

É correto permitir que meu espaço seja desrespeitado continuamente? Qual é o limite e como lidar com tudo o que me desagrada?

As consequências dos pequenos estresses diários

Esses pequenos problemas muitas vezes passam despercebidos até que se manifestam de forma mais evidente.

Sentimos impotência e culpa por percebermos que muitas dessas coisas desagradáveis já nos fizeram bem. Esse sentimento é normal quando tentamos enfrentar e acabar com um problema; muitas coisas mudam e outras permanecem estáveis.

O importante é perceber que o nosso ambiente é favorável a nós, e não hostil.

Isto não tem nada a ver com a sua capacidade de sacrifício, luta e entrega. É uma questão de inteligência emocional.

É difícil remar forte e por muito tempo, por isso tente encontrar um ambiente favorável para você e não um ambiente que complique mais a sua vida.

Do contrário, esse sentimento de impotência frente aos estressores vai se tornar crônico, nos tornaremos mal humorados e não conseguiremos realizar mudanças produtivas em nossa vida.

Nossas rotinas diárias serão prisões para nossos sentidos e desejos, e até a depressão pode aparecer como consequência desses pequenos “problemas diários”.
Portanto, faça uma pausa, tente encontrar momentos de descanso e relaxamento para recuperar as forças e seguir em frente.

Relaxar nos ajuda a renovar, a voltar  com mais energia e com os pensamentos e as ideias mais claras.

Cuide da sua rotina,
cuide do seu dia a dia,
cuide de você.

Texto original em espanhol de Cristina Roda Rivera

Coach Giardino
Executive & Life Coach
(55 71 985454125)

A Liberdade Emocional Proporciona o Crescimento Pessoal

 

"A vida é muito simples, insistimos que seja complicada" Confucio

O autoconhecimento nos permite abandonar as nossas certezas absolutas e duvidar daquilo que generalizamos (uma possibilidade limitada ao todo). Este olhar,  nos faz lembrar que somos seres livres e com capacidades autônomas na hora de decidir. É a melhor oportunidade de uma conexão intima e plena com o próprio ser, para questionar o que realmente desejamos e para eliminar as barreiras que colocamos para desenvolver a felicidade plena.

Resultado de imagem para la libertat emocionañ

A nossa sociedade esta em um ponto crucial, arrastando um comportamento inadequado de geração em geração. Colocar a culpa no outro ou na sorte, em lugar te ter a coragem de traçar o próprio curso de vida e assumir as responsabilidades dos acontecimentos, que na maioria das vezes é uma consequência inevitável das nossas decisões pessoais e dos nossos atos.

Qual a capacidade do ser humano em dar e receber carinho?

A outra pessoa tem que me fazer feliz?

Se não tenho bons amigos, é porque as pessoas são egoístas e individualistas?

Se tiro uma nota baixa na prova, a culpa é do professor?

Estou sem trabalho, é culpa do governo?

Qual meu objetivo nesta vida?

Emocionalmente preso a um padrão familiar de conduta e a uma sociedade que determina valores a serem seguidos. Valores muitas vezes questionáveis. Observamos uma sociedade desajustada e carente. Ou seja pela falta de autoconhecimento  ou mesmo de duvidar do que todos fazem.

Carência afetiva

Crianças que não foram acolhidas, não receberam afeto e carinho pela família costumam ter carência afetiva, e elas não sabem o valor de dar e receber esse afeto, por não terem recebido este carinho. Envolve acontecimento, interpretações (real ou imaginário).

O outro lado também é verdadeiro. O excesso de proteção, de carinho e afeto, geram uma dependência ou co-dependência, onde imaginam (pensam), que não podem fazer nada sozinhas. Se lançam na necessidade de ter alguém ou de ocultar por alguma substância (fuga).

O problema do aprisionamento emocional, foi instalado no adultos que não exercitaram o ato de dar e receber carinho, ou o de não depender.  Desenvolver este tipo de habilidade na vida adulta, requer:  curar feridas (refletir e pensar sobre), humildade (buscar ajuda), reconhecimento (do passado), toma de consciência (saber que se pode mudar)  e prática (ação continua de doar).

O processo de reflexão

O próprio processo de refletir sobre a vida nos proporciona paz. Tudo bem, não fomos ensinados e nem mesmo educação. Agora é o momento de refletir, questionar de forma ativa certas situações da vida, duvidar do que acreditamos, pensar em outras possibilidades.

Liberdade Emocional

O processo de liberdade emocional passa pelo mesmo caminho de entender, compreender,  as próprias emoções, observar a raiva, o ódio, as incertezas, as duvidas, e os medos. Refletir sobre o falado e o não falado. Esse é o estado mental de reflexão que gera felicidade e bem estar.

Viagem ao interior pessoal 

Existem épocas da vida que pensamos: "Preciso fazer uma viagem", "Estou precisando sair", "Preciso me conhecer", "Tenho que desenvolver minha vida espiritual". Aos pouco vamos percebendo que a nossa perspectiva de olhar, deve ser outra. Olhar para  a vida com outras possibilidades. E acreditar em si mesma, como ser humano, com um grande potencial. Este conhecimento vem do interior pessoal. Tomar consciência, muda perspectiva.

"Para Emmanuel Kannt a base de todos os conhecimentos humanos do mundo objetivo estão a experiencia e as percepções dos sentidos. Os sentidos dão-nos a conhecer um mundo exterior real e proporcionam-nos os materiais da experiencia. A imagem que fazemos das coisas é a resultante de dois fatores:

Em primeiros lugar, das propriedades dos objetos que atuam sobre nossos sentidos e produzem em nós certas impressões e representações: e, em segundo lugar, do caráter particular de quem recebe essas impressões, isto é, de nossa consciência.

Daí resulta que as representações que temos das coisas, tais como estas se nos apresentam, distinguem-se completamente da coisa em si isto é, da coisa tal qual existe em si e para si, em seu ser “verdadeiro”, independentemente consciência subjetiva."

"O exterior, aquilo que nos rodeia é na realidade o reflexo do nosso interior".  Emmanuel Kant

Se nossa imagem interior se caracteriza por acreditar na nossa capacidade de refletir, de pensar, uma imagem pessoal clara e definida e aceita, com pensamentos flexíveis, com dinâmicas  positivas e possíveis, com comportamentos assertivos conformam com um mundo libertador e facilitador.

Passo para a Liberdade Emocional

Primeiro passo – Investigar e conhecer história familiar – A melhor forma de autoconhecimento é compreender as nossas raízes. Sobretudo, trabalhar o perdão. As relações, a educação, as regras e imposições familiar.

Segundo passo – Entender as próprias necessidades emocionais – Impulsos, necessidades, desejos de pertencer, acolhimento, aceitação, objetivos pessoais e de grupo. As emoções são a nossa bussola para o equilíbrio de vida.

Terceiro passo – Compreender o seu mecanismo de defesa – A nossa biologia esta programada para ativar o sistema de defesa, se ele compreender que a nossa identidade de vê ameaçada. Com a percepção distorcida,  muitas vezes interpretamos uma ameaça de forma inadequada. Por exemplo: medo de perder o emprego, medo de ficar sozinha. Ser conscientes da origem das nossas reações, vai nos proporcionar estrategias para superar medos inadequados, nossas carências e necessidades.

Quarto passo – Descubra suas fortalezas e fragilidades – Nos seres humanos somos um conjunto de fortalezas, fragilidades, virtudes, defeitos, cheios de luzes e de sombras. Ser consciente de cada um destes aspectos nos oferece uma ferramenta de crescimento pessoal.

Quinta passo – Qual é o seu proposito de vida – O descobrir o para quê estar aqui nesta vida. Encontrar um sentido, que dê prazer, nos proporciona bem estar. Uma vida sem objetivo, não prospera. É uma vida comparada a um barco a deriva. Sem rumo e sem destino. Levantar cada manha com um motivo, proporciona a vida uma qualidade incomparável.

O processo de Coaching é um processo maravilhoso de autoconhecimento. A liberdade emocional vem com o autoconhecimento. O desenvolvimento pessoal chega para as pessoas que abrem portas para se conhecerem.

Deseja saber como funciona este processo?

Vem comigo!

Coach Giardino

Executive & Life Coach

Contatos:

Tel.: 55 71 985454125

e-mail: coaching@ricardogiardino.com