Princípios da Educação Formulada por Pestalozzi com Coach Giardino (2ª parte)

Teórico: Johann Heinrich Pestalozzi

Nascimento e morte: Zurique, 12 de janeiro de 1746 — Brugg, 17 de fevereiro de 1827)

Profissão: Pedagogo suíço e educador, pioneiro da reforma educacional.

Princípios: A afetividade em sala de aula e o amor materno.

Na primeira parte, falamos sobre quatro dos princípios:

Princípios da Educação Formulada por Pestalozzi com Coach Giardino (1ª parte)

Em nosso post de hoje, daremos continuidade.

De acordo com Haydt (2001), podemos resumir da seguinte maneira os princípios formulados por Pestalozzi:

5 – A educação deve auxiliar no desenvolvimento orgânico, por isso a atividade física é tão importante quanto a intelectual.

Somos a soma de corpo (físico), mental (cognitivo) e alma (espiritualidade). O equilíbrio entre todos, colabora com o desenvolvimento pleno do educando. A educação escolar deve promover no espaço áulico a integração do ser humano. Para a criança brincar, jogar bola, correr, nadar, entre outras, são atividades prazeirosas. Daí a importância de utilizar o lúdico na sala de aula (jogos). As aulas de educação física e de psicomotricidade devem ser espaços que promovam o desenvolvimento orgânico da criança.

6 – A aprendizagem escolar não deve levar apenas a aquisição do conhecimento, mas, principalmente, ao desenvolvimento de habilidades e ao domínio de técnicas.

O currículo é de suma importância, nisso concordamos. Um currículo voltado para as habilidades, é diferente de um currículo voltado para conteúdo.

As habilidades nos levam a uma compreensão ampla de mundo. Elas são partes intrínsecas da aprendizagem significativa, que levam o aluno a ser competente, quando ele realmente compreende a aplicação prática em sua realidade.

Pestalozzi nos deixa alguns princípios mais, dos quais, abordaremos na nossa próxima conversa.

Qual é o seu educador preferido?

Qual a proposta deste educador?

Quais princípios norteiam o seu trabalho?

Compartilhe e deixe seus comentários.

Coach Giardino

Coach e Mentor Educacional

Contatos:

Tel.: 71 985454125

E-mail: contato@ricardogiardino.com

Princípios da Educação Formulada por Pestalozzi com Coach Giardino (1ª parte)

Coach Educacional (2)

Teórico: Johann Heinrich Pestalozzi

Nascimento e morte: Zurique, 12 de janeiro de 1746 — Brugg, 17 de fevereiro de 1827)

Profissão: Pedagogo suíço e educador, pioneiro da reforma educacional.

Princípios: A afetividade em sala de aula e o amor materno.

De acordo com Haydt (2001), podemos resumir da seguinte maneira os princípios formulados por Pestalozzi:

1 – “A relação entre professor e aluno deve ser baseada no amor e no respeito.” 

O Palestrante e pedagogo Celso Vasconcelos, nos fala da zona de autonomia relativa (ZAR), zona circular  separada por  zona externa, da qual o profissional não exerce controle, e a zona interna como “o limite interno é o das pessoas e da instituição. É nesse espaço que está a liberdade. Isso implica: respeitar o conhecimento prévio do aluno, história de vida, definir objetivos e conteúdos que lhe sejam adequados, conquistar o aluno para a aprendizagem, etc. Isso depende do professor e de mais ninguém.”

Celson Vasconcelos ainda diz: “O trabalho com o conhecimento – O professor deve desenvolver sua capacidade de estabelecer relações interpessoais sadias. Isso se faz, ouvindo o aluno e fazendo-o sentir-se respeitado.”

A relação baseada no amor e no respeito, parte de um encontro de partes separadas que desejam unir-se, uma que supõe maturidade é outra no processo de desenvolvimento. O professor é o responsável para estabelecer os limites desta relação.

2 – “O professor deve respeitar a individualidade do aluno.”

Individualidade se entende como um indivíduo único, inserido em um universo de multiplicidade. Uns aprendem as letras com maior rapidez, uma velocidade relativa. Outros caminham admirando as letras, no entanto viajam em um caminho paralelo em que o tempo não importa. E quem disse que educar é uma competição?

O respeito se entende por permitir que o outro seja ele mesmo, da forma e da cor que deseje, sem interferir na possibilidade que ele seja capaz de ver, nem sempre o mesmo que o outro. Entender que o espaço mesmo sendo público, não me permite entrar no limite do outro.

Respeitar a individualidade em sala de aula é permitir que o aluno, caminhe com suas próprias experiências, sua investigações, e até mesmo o seu momento de não desejar fazer nada.

3 – “A finalidade da educação deve basear no seu fim mais elevado, ou seja, favorecer o desenvolvimento físico, mental e moral do aluno.”

“Dentre vários estudos, a psicomotricidade é conceituada como uma ação de finalidade pedagógica e psicológica a utilizar os parâmetros da educação física com a intenção de melhorar o comportamento da criança com seu corpo. Há quem defina a psicomotricidade como uma ciência que estuda o indivíduo por meio de seu movimento e a interação social.”

“Segundo Vygotsky, o desenvolvimento cognitivo do aluno se dá por meio da interação social, ou seja, de sua interação com outros indivíduos e com o meio.” “Vygotsky nasceu em 1896 na cidade de Orsha, na Rússia, e morreu em Moscou em 1934, com apenas 38 anos. Formou-se em Direito, História e Filosofia nas Universidades de Moscou e A. L. Shanyavskii, respectivamente.”

Melhor serem dois que apenas um. Papel do professor fomentar momentos de desenvolvimento físico, mental e moral. Será que ocorre apenas no ambiente escolar? Com certeza, não. A escola tem está possibilidade e oportunidade de proporcionar bons momentos para o desenvolvimento da criança.

4 – “O ensino não deve objetivar a verdade absoluta e a memorização mecânica, mas o desenvolvimento das capacidades intelectuais.”

A verdade deixa de ser verdade no momento da dúvida. A verdade em si própria é absoluta. Deter uma forma de pensar, não significa ser o detentor da verdade. A verdade é a experiência individual, que não cabe experimento e sim uma confirmação da própria experiência. A escola e o professor, não são os detentores da verdade. Na verdade, são juntos ou separados, um dos caminhos para refletir e decidir a própria verdade. Estimulando e desenvolvendo o ser critico e reflexivo para que o estudante chegue próximo da verdade.

As ideias ou as técnicas? O caminho faz a diferença entre ser um professor influenciador ou um professor conteudista. O primeiro nos permite o desenvolvimento das capacidade intelectuais. O segundo nos lembra a memorização mecânica que proporciona a informação, que sem mais, se perde pela necessidade de complementariedade na aplicação.

 

Pestalozzi nos deixa seis princípios mais, dos quais, abordaremos na nossa próxima conversa.

Qual é o seu educador preferido?

Qual a proposta do educador?

Quais princípios norteiam o seu trabalho?

Compartilhe e deixe seus comentários.

Coach Giardino

Coach e Mentor Educacional

Contatos:

Tel.: 71 985454125

E-mail: contato@ricardogiardino.com

.